História da loucura e danação da norma: uma genealogia do trabalho como tecnologia de controle utilizada pela psiquiatria clássica
NAGIOS: RODERIC FUNCIONANDO

História da loucura e danação da norma: uma genealogia do trabalho como tecnologia de controle utilizada pela psiquiatria clássica

DSpace Repository

História da loucura e danação da norma: uma genealogia do trabalho como tecnologia de controle utilizada pela psiquiatria clássica

Show full item record

View       (4.193Mb)

Exportar a Refworks
    
Valadares Souza, Geruza
This document is a capítuloDate17/07/2020

    Baseados na análise genealógica de Foucault (2014) em História da loucura: na idade clássica, verificamos que a psiquiatria legitima- se como ciência amparada pelo discurso moral da época clássica nos séculos XVII e XVIII. Na obra de Machado et al. (1978) Danação da norma: medicina social e constituição da psiquiatria no Brasil, é apresentado um histórico do surgimento da medicina social e da psiquiatria no Brasil. Foucault (2014) verifica que a época clássica é marcada pela condenação e exclusão da pobreza, por meio do enclausuramento e da prática de trabalhos forçados impostos aos sujeitos considerados improdutivos, pela sociedade. Nesse contexto, a segregação e o uso da força de trabalho são uma importante tecnologia de controle e de subjugação do sujeito, que passa a ser apropriada pela psiquiatria no século XIX. Esta pesquisa será realizada em duas partes. Na primeira, apresentaremos uma análise do trabalho como tecnologia de controle do louco e da loucura como preconizado por Foucault (2014). Na segunda parte, demonstraremos como o combate à ociosidade e às desordens sociais, que são alvo de controle na Europa do século XVII e XVIII, passa a ser objeto de dominação no Brasil do século XIX, contexto em que são constituídos o discurso e as práticas psiquiátricas no Brasil. Neste artigo, investigaremos como o trabalho como ferramenta de controle do louco e da loucura aparece para legitimar a nova ciência psiquiátrica, pela ideia de terapêutica. Nesse âmbito, questionamos a naturalização do uso de atividades como recurso terapêutico e os fundamentos teórico-práticos que dirigem as intervenções terapêuticas na atualidade.

This item appears in the following Collection(s)

Show full item record

Search DSpace

Advanced Search

Browse

Statistics