Factores de risco e protecção para os adolescentes em situação de vulnerabilidade ante o consumo de substâncias adictivas em Angola
NAGIOS: RODERIC FUNCIONANDO

Factores de risco e protecção para os adolescentes em situação de vulnerabilidade ante o consumo de substâncias adictivas em Angola

DSpace Repository

Factores de risco e protecção para os adolescentes em situação de vulnerabilidade ante o consumo de substâncias adictivas em Angola

Show simple item record

dc.contributor.advisor Gutiérrez Sanmartín, Melchor
dc.contributor.author Fernández de Carvalho, Isabel M. Romero
dc.contributor.other Departament de Psicologia Evolutiva i de l'Educació es_ES
dc.date.accessioned 2013-03-28T07:51:50Z
dc.date.available 2013-03-29T07:10:03Z
dc.date.issued 2013
dc.date.submitted 13-03-2013 es_ES
dc.identifier.uri http://hdl.handle.net/10550/26597
dc.description.abstract Embora se saiba que são numerosos e graves os efeitos do consumo tanto de bebidas alcoólicas como o de tabaco sobre a vida dos jovens, em Angola existe uma grande escassez de estudos que abordem esta temática. Por este motivo, são vários os objetivos deste trabalho: (1) Analisar o consumo de substâncias aditivas nos adolescentes angolanos; (2) Analisar as relações entre a auto-estima, inteligência emocional e apoio social com a resiliência dos adolescentes; (3) Analisar a predição da percepção do bem-estar subjetivo dos adolescentes; (4) Analisar a predição das atitudes ante o consumo de substâncias aditivas. A amostra, por conveniência, esteve constituída por 2739 adolescentes com idades compreendidas ente os 14 e os 18 anos (1349 rapazes e 1390 raparigas), pertencentes a três províncias de Angola: Benguela (840). Huíla (659) e Luanda (1240). Os participantes replicaram aos seguintes instrumentos: Escala de Auto-estima (Rosenberg, 1965); Escala de Apoio Social (Zimet et al., 1988); Escala de Inteligência Emocional (Wong y Law, 2002); Escala de Resiliência (Smith et al., 2008); Escala de Satisfação com a Vida (Pavot y Diener, 1993); e o Questionário de Actitudes ante o Consumo de Drogas (Escámez y García, 1990). Solicitou-se as autorizações necessárias para se desenvolver a investigação e respeitaram-se os princípios éticos estabelecidos pela APA. Tratamento de dados: (1) Mediante Análises Factoriais Confirmatórias comprovou-se a validez dos instrumentos. (2) Calculou-se a consistência interna dos factores que compõem cada um dos instrumentos empregues. (3) Calcularam-se as correlações entre as variáveis estudadas. (4) Desenvolveu-se um Modelo de Equações Estruturais (SEM) com variáveis observáveis (path análisis) para predizer o bem-estar subjetivo e as atitudes ante o consumo de substâncias aditivas dos adolescentes. Como conclusões cabe assinalar as seguintes: (a) As características psicométricas das escalas utilizadas resultaram adequadas, com fiabilidade satisfatória para todos os factores (valores de alfa entre .705 e .809); (b) Uma boa parte dos adolescentes angolanos é consumidor de bebidas alcoólicas e muitos deles têm um ou mais membros da família e amigos que também consome bebidas alcoólicas; (c) Os adolescentes do género masculino são mais resilientes, manifestam maior controlo emocional e consideram em maior medida a pressão social para o consumo de drogas, enquanto que, os do género feminino percebem maior apoio da escola. Quem vive no meio urbano considera-se mais capaz de avaliar as emoções dos outros, apresentam maior resiliência e valorizam mais o efeito prazenteiro das drogas; (e) Os adolescentes de maior idade manifestam um maior nível de auto-estima, maior apoio da escola e uma maior capacidade para usar as emoções, enquanto que os mais jovens manifestam uma maior satisfação com a vida; (f) O nível académico destacou-se principalmente na percepção da auto-estima, no apoio dos amigos, na avaliação das emoções próprias, no uso da emoção e na resiliência. A relação é inversa entre o nível académico, a satisfação com a vida, a percepção de que as drogas não prejudicam a saúde e o sentimento da pressão social para o consumo. (g) A auto-estima prediz directamente a satisfação com a vida; (h) O controlo emocional dos adolescentes é um preditor directo e importante da sua satisfação com a vida. es_ES
dc.format.extent 241 p. es_ES
dc.language.iso other es_ES
dc.subject psicología positiva es_ES
dc.subject recursos personales es_ES
dc.subject drogas es_ES
dc.subject drogadicción es_ES
dc.subject adolescentes es_ES
dc.subject consumo sustancias adictivas es_ES
dc.title Factores de risco e protecção para os adolescentes em situação de vulnerabilidade ante o consumo de substâncias adictivas em Angola es_ES
dc.type info:eu-repo/semantics/doctoralThesis es_ES
dc.subject.unesco UNESCO::PSICOLOGÍA::Psicología del niño y del adolescente::Psicología evolutiva
dc.description.abstractenglish “Risk and protective factors to adolescents in situation of vulnerability towards the addictive substance use in Angola” Although it is known that the effects of the use of both alcohol and tobacco are at large proportions and serious over the youngsters’ lives, there is a substantive lack of studies approaching this topic in Angola. For this reason, the aims of this research were: (1) To analyse the addictive substance use of the Angolan teenagers; (2) To analyse the relationships between self-esteem, emotional intelligence and social support with the resilience of teenagers; (3) To analyse the prediction of the subjective well-being perception of teenagers; (4) To analyse the prediction of the attitudes towards the addictive substance use. A convenience sample was used. Participants were 2739 adolescents ages 14 to 18 years (1349 boys, 1390 girls), living in three Angolan provinces: Benguela (840), Huíla (659) and Luanda (1240). Participants completed the Self- esteem Scale (Rosenberg, 1965); the Social Support Scale (Zimet et al., 1988); the Emotional Intelligence Scale (Wong & Law, 2002); the Resilience Scale (Smith et al., 2008); the Scale of Satisfaction with Life (Pavot & Diener, 1993); and the Questionnaire of Attitudes towards Drugs Use (Escámez & García, 1990). Necessary allowances were asked for carrying out the research and the APA established ethical principles were observed. The data were analyzed at four levels: (1) Confirmatory Factorial Analyses (CFA) were carried out to examine the factor structure of the scales. (2) Internal consistence of each factor was calculated. (3) The correlations among the studied variables were calculated. (4) Structural Equation Models (SEM) with observed variables (path analyses) were used to predict the subjective well- being and the attitudes towards addictive substance use. The main conclusions were: (a) The psychometric characteristics of the used scales were found adequate, showing satisfactory reliability for all the factors (alpha values between .705 and .809); (b) A considerable part of the Angolan teenagers are alcoholic beverage consumers and accompanied by one or more relatives and friends that make use of alcoholic consumption as well; (c) Male teenagers demonstrated to be more resilient, and with greater emotional control and consider, to a greater extent, the social pressure towards drugs consumption, whereas their female counterparts perceived greater friends’ support, and were more capable to appraisal others’ emotions; (d) The adolescents who lived in the rural area perceived greater school support, and the adolescents who lived in the urban area were more capable to appraisal others’ emotions, with more resilience and gave more importance to the pleasure effects of drugs; (e) Older teenagers manifested a greater level of self-esteem, greater school support and a greater capacity to use emotions, whereas the younger teenagers demonstrated greater satisfaction with life; (f) The academic level was a relevant variable mainly in the perception of self-esteem, support from friends, appraisal of own emotions, use of the emotion, and resilience. The relationship was opposite between the academic level, the satisfaction with life, the perception that drugs do not damage health and the feeling of the social pressure towards drug use. (g) Self-esteem directly predicted the adolescents’ satisfaction with life; (h) Teenagers’ emotional control was a direct predictor of their satisfaction with life. es_ES
dc.embargo.terms 0 days es_ES

View       (1.118Mb)

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Search DSpace

Advanced Search

Browse

Statistics